O Decreto nº 2.318/1986 afasta a tributação da remuneração do menor aprendiz:

“Art 4º As empresas deverão admitir, como assistidos, com duração de quatro horas diárias de trabalho e sem vinculação com a previdência social, menores entre doze e dezoito anos de idade, que freqüentem escola.

(…)

§ 4º Em relação aos gastos efetuados com os menores assistidos, as empresas não estão sujeitas a encargos previdenciários de qualquer natureza, inclusive FUNRURAL, nem a recolhimentos em favor do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.”

Não obstante, a Receita Federal segue exigindo a contribuição, por entender que o referido decreto não foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988.

Contudo, o Poder Judiciário tem posição contrária ao Fisco, sob o argumento de que o decreto foi recepcionado pelo art. 227 da CF/88. Há, inclusive, precedente recente a favor dos contribuintes.

Recomendamos que os contribuintes avaliem o ajuizamento de ação para (i) afastar a tributação dos valores pagos a menores aprendizes, bem como para (ii) recuperar o que foi pago a maior nos últimos 05 anos.

Os aprendizes cuja remuneração não deverá ser tributada são aqueles que, cumulativamente, (i) trabalham até 04 horas por dia, (ii) têm entre doze e dezoito anos e (iii) frequentam escola.

Para maiores informações, consulte a nossa equipe.

Rua Flórida, nº 1.821, 11º andar | Brooklin
CEP 04565-906 | São Paulo/SP
Tel. +55 11 5505-4777
contato@crespogregio.com.br
www.crespogregio.com.br