Sob a relatoria da Min. Assusete Magalhães, a 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que o sócio contemporâneo ao fato gerador do tributo e que se retirou da sociedade antes da dissolução irregular não deve responder pelos débitos fiscais da empresa.

Na oportunidade, os Ministros firmaram a seguinte tese: “o redirecionamento da execução fiscal quando fundado na dissolução irregular da pessoa jurídica executada ou na presunção de sua ocorrência não pode ser autorizado contra o sócio ou o terceiro não sócio que, embora exercesse poderes de gerência ao tempo do fato gerador, sem incorrer em prática de atos com excesso de poderes ou infração à lei, ao contrato social ou aos estatutos, dela regularmente se retirou e não deu causa à sua posterior dissolução irregular, conforme artigo 135, inciso III, do CTN”.

O caso foi julgado sob a sistemática dos recursos repetitivos (Tema 962) e deverá ser replicado pelos Tribunais em casos semelhantes.

A decisão, além de trazer segurança jurídica ao tema, parece-nos correta na medida em que o Fisco, sob a premissa de que a sociedade foi dissolvida irregularmente, vinha atribuindo a sócios e administradores que já se retiraram da sociedade a responsabilidade tributária por débitos fiscais sem a devida comprovação da prática de condutas dolosas, em clara afronta ao disposto no art. 135, inc. III, do CTN.

­Para maiores informações consulte a nossa equipe.

Rua Flórida, nº 1.821, 11º andar | Brooklin
CEP 04565-906 | São Paulo/SP
Tel. +55 11 5505-4777
contato@crespogregio.com.br
www.crespogregio.com.br